P2P Foundation

Researching, documenting and promoting peer to peer practices


Subscribe

Translate

The open content economy now reaches one sixth of U.S. GDP

photo of Michel Bauwens

Michel Bauwens
19th July 2011


Question: does that study include the open source software economy or not? Thanks for letting us know.

Excerpt:

“The 2011 study, “Fair Use in the U.S. Economy,” which was commissioned by the Computer & Communications Industry Association, incorporates data from 2008 and 2009 found that despite the economic downturn, industries that rely on fair use exceptions to copyright law like technology and the news media remained steady compared to the rest of the U.S. economy.

Polis noted that this study comes as Congress is considering various legislation, including the PROTECT IP Act, which would strengthen copyright enforcement, while “weakening the underpinnings of the Internet.” Polis praised the study for bringing numbers to help balance the debate on copyright enforcement measures.

“These economic arguments are particularly important when there’s a lot at stake – jobs, jobs jobs,” Polis said. “That’s something at the top of the agenda for members of both parties.”

CCIA President & CEO Ed Black said copyright is also important, but policy must be balanced.
“We have long known that these limitations on IP regulations are important for social purposes – they enable news coverage, research, academic and educational use, criticism and commentary. But we’ve more recently started to discover that an immense amount of economic activity also depends on these limitations and exceptions,” Black said.

Using the latest publicly available data (2009), and adapting a methodology developed by the World Intellectual Property Organization (WIPO) this study finds the following about fair use industry growth and activity:

• Revenue – In 2008 and 2009, fair use industries – those industries that depend upon fair use and related limitations to copyright – generated revenue averaging $4.6 trillion, a 35 percent increase over 2002 revenue of $3.4 billion.

• Value-Added – Fair use-related industry “value added” to the U.S. economy averaged $2.4 trillion, approximately 17 percent of total U.S. current dollar GDP – roughly one-sixth of the economy.

• Employment – The fair use economy is vast, employing 17 million people – approximately one in eight U.S. workers – and generates a payroll averaging $1.2 trillion in 2008-2009, compared to $895 billion in 2002.”

FacebookTwitterGoogle+RedditShare

4 Responses to “The open content economy now reaches one sixth of U.S. GDP”

  1. How Peer to Peer Communities will change the World – Interview with Michel Bauwens, P2P Foundation founder. « Says:

    […] Economically for example, one recent study estimated the open content industry in the U.S. to reach one sixth of GDP. Finally, there are the new political expressions. I consider the European occupied squares […]

  2. Pinha.net | Blog | Documentos | Novo documento Says:

    […] Poderíamos argumentar que uma emergente vanguarda sócio-cultural está ativamente construindo novas formas de vida, novas práticas sociais e novas instituições humanas, algumas das quais eu tentei mapear aqui. Em todo o mundo estamos vendo emergir comunidades que estão desenvolvendo novas práticas sociais que são informadas pelo paradigma p2p. Em um outro nível esta é também uma revolução ética, que registra (1) o crescimento de valores fundamentais tais como abertura (openness, a qualidade de ser aberto) e liberdade em relação às ‘entradas’ (inputs) compartilhadas em processos de produção entre pares; (2) participação e inclusividade como elementos básicos do processo de cooperação; e (3) uma orientação ao ‘commons’ (distribuição universal) na gestão das saídas (outputs) do processo. Economicamente, por exemplo, um estudo recente estimou que o setor de conteúdo aberto nos EUA iria alcançar um sexto do PIB. […]

  3. virtju | Blog | Comunidades P2P irão mudar o mundo? – Entrevista com Michel Bauwens, criador da P2P Foundation Says:

    […] Poderíamos argumentar que uma emergente vanguarda sócio-cultural está ativamente construindo novas formas de vida, novas práticas sociais e novas instituições humanas, algumas das quais eu tentei mapear aqui. Em todo o mundo estamos vendo emergir comunidades que estão desenvolvendo novas práticas sociais que são informadas pelo paradigma p2p. Em um outro nível esta é também uma revolução ética, que registra (1) o crescimento de valores fundamentais tais como abertura (openness, a qualidade de ser aberto) e liberdade em relação às ‘entradas’ (inputs) compartilhadas em processos de produção entre pares; (2) participação e inclusividade como elementos básicos do processo de cooperação; e (3) uma orientação ao ‘commons’ (distribuição universal) na gestão das saídas (outputs) do processo. Economicamente, por exemplo, um estudo recente estimou que o setor de conteúdo aberto nos EUA iria alcançar um sexto do PIB. […]

  4. De como as comunidades P2P irão mudar o mundo – Entrevista com Michel Bauwens, | zonas autônomas de criação Says:

    […] Poderíamos argumentar que uma emergente vanguarda sócio-cultural está ativamente construindo novas formas de vida, novas práticas sociais e novas instituições humanas, algumas das quais eu tentei mapear aqui. Em todo o mundo estamos vendo emergir comunidades que estão desenvolvendo novas práticas sociais que são informadas pelo paradigma p2p. Em um outro nível esta é também uma revolução ética, que registra (1) o crescimento de valores fundamentais tais como abertura (openness, a qualidade de ser aberto) e liberdade em relação às ‘entradas’ (inputs) compartilhadas em processos de produção entre pares; (2) participação e inclusividade como elementos básicos do processo de cooperação; e (3) uma orientação ao ‘commons’ (distribuição universal) na gestão das saídas (outputs) do processo. Economicamente, por exemplo, um estudo recente estimou que o setor de conteúdo aberto nos EUA iria alcançar um sexto do PIB. […]

Leave a Reply

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>